sábado, 7 de março de 2009

E Chegou o dia em que a pequena Juliana se presenteou com o direito de ficar braba. Aparentemente eram muitos motivos.
Mas a raiva para alguém tão bom é uma questão de preparação. Passaram dias e dias, sem que eu ouvisse uma palavra dela. Ela passou meses em silêncio até o dia em que finalmente seus lábios se abriram e a palavra saiu, incrivelmente bela:
-Ódio.
A palavra foi embora no ar, perfeita. Com todas as sílabas, com letra maiúscula e com um ponto final.

Agora não havia sobrado nada, e ela estava preparada para novas frases, maiores e mais bonitas.

2 comentários:

Daniel Gruber disse...

Altamente poético. Um dos melhores que já foram postados aqui.

Beijos!

Wagner Sabbado disse...

Saudades guria, dando uma passeada por aqui deixando um alô para Juliana. :)