segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

A angustia do puxa-puxa em sua boca me dava nos nervos.
A convivência com Juliana me habituara a personificar todas as coisas.
E não ajudava nada o fato de ela repetir o tempo todo: “Ele não é saboroso!?”
Ela abriu um ligeiro sorriso com a metade da boca desocupada, tentando segurar a saliva.
Tratei de afastar o pensamento compadecido. Há essa hora o doce já estaria em seus suspiros finais.
Ela lambeu as pontas dos dedinhos melados como uma selvagem. Eu estava horrorizada.
- Acabou a carnificina por hoje?
Ela ameaçava um “sim”, quando uma musiquinha macabra de tão feliz cruzava a esquina.
Com os olhos arregalados de excitação ela pulou do sofá.
- O Sorveteiro!

4 comentários:

Jess disse...

Juliana é compulsiva. E agora me parece ser assim desde o começo... Como eu não tinha notado?

Carlos Eduardo disse...

Li todo o blog. É Bom. Só o formato do blog que cansa ao ler por muito tempo, as letras brancas e fundo preto embaralham, como disse no seu orkut - mas não pelo conteúdo, longe disso. Rsrs. Se bem que combina mais com a sua proposta... Gostei da ideia. Parabéns.

Wagner Sabbado da Rosa disse...

Essa menina nao te da descanço ein Morgana, legal o texto! Queria fazer uma pergunta? Eu ja li diversas vezes esse blog, ja deixei comentarios podres e razoaveis. E todas as vezes que li os assuntos, ao meu ponto de vista, os temas sao poéticos, profundos e dao a impressao de alguma analise sobre a existencia(alegrias e tristeza da vida) e um questionamento sobre tal. Bom a questao é " Escrever o blog Juliana nao existe é uma tera^pia para você?". Como disse antes, meus comentarios sao podres ou razoaveis. Abraço guria!

Todos os jovens tristes disse...

Lembrei do carro do picolé que passa aos domingos lá em Ivoti gritando: Alô alô, gurizada! Está passando na sua rua o carro do picolé. São quatro picolés de fruta por apenas um real...
Imagina se a Juliana ouvisse...
Marcos Kehl.