domingo, 28 de março de 2010

– Me dá! – Ela disse.
Acordei com uma frase na cabeça.
Mas Juliana a apanhou antes que eu pudesse ler.

Ela dobrou e guardou no bolsinho do casaco.
– Não vou te contar o que é! – Disse zombeteira.
E lá se foi algo que eu poderia escrever.

A mesma coisa na manhã seguinte. E na outra também.
Eu acordo durante a madrugada. E o bolso de Juliana transborda.
Tenho insônia durante a semana inteira. E Juliana compra uma caixa.

Escuto os passinhos dela cruzando o corredor no meio da noite.
“Tap, tap” no assoalho.
Tradução: ela vai aprontar.

Pulo da cama e vou atrás dela.
Ela está sentada na mesa da sala, usando óculos grandes demais para suas orelhas.
Só para fazer pose.

Espalhadas pela mesa, minhas frases são um quebra-cabeça que ela monta.
– Juliana, o que é isso? – Pergunto.
Ela não perde tempo olhando pra mim quando responde:

– É minha brincadeira favorita!

Um comentário:

Estranha Online - Criança insolente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.