quinta-feira, 21 de abril de 2011

Juliana encostou a cabeça em meu ombro,
E por saber que é assim como eu, depositou ali todo o peso.
Enquanto eu colocava a cabeça para fora da vida e apreciava a paisagem,
Juliana contava nos dedos das mãos, esperando.
Contando os dias e esperando,
Pelo dia que seria igual a todos os outros.

Nenhum comentário: